quarta-feira, março 14, 2007

Serpentes a Bordo

Serpentes a Bordo (Snakes on a Plane; S.o.a.P, EUA, 2006 – 105 min.)

“Sente-se. Relaxe. Aproveite o Medo.”

Um garotão despreocupado com a vida, Sean (Nathan Phillips) está fazendo trilha com sua moto quando, sem querer, testemunha um assassinato cometido pelo chefão do crime Eddie Kim (Byron Lawson). Transformado em testemunha-chave para colocar o bandido na cadeia por um longo tempo, Sean é protegido pelo agente do FBI Flynn (Samuel L. Jackson), que escoltará o rapaz até Los Angeles onde o testemunho dele será anotado. Para chegar até Los Angeles, a dupla escolhe o vôo 121 da Pacific Air Lines.
De algum modo, Kim descobriu em qual vôo a pessoa que pode acabar com ele para sempre estaria e colocou, no compartimento de bagagens, uma caixa lotada com dezenas de cobras venenosas estimuladas a serem agressivas por feromônios, ou seja, as cobras estarão tão nervosas que atacarão qualquer coisa que se mexer. Agora, Flynn, com a ajuda da aeromoça Claire (Julianna Margulies, da série “E.R.” e da mini-série “Avalon”) e dos demais passageiros, terá que se virar para conseguir pousar o avião e manter sua testemunha viva.
Um filme estranho. Começou que, depois de “A Bruxa de Blair”, foi uma poucas produções que tentaram aproveitar de forma maciça o poderio da Internet para a mobilização dos fãs e criação de “hype” (aquela coisa indefinível que faz com que as pessoas falem sobre algo, seja uma pessoa ou um filme ou outro produto cultural, quase sempre com propósito positivo); por exemplo, Samuel L. Jackson, que afirmou ter aceitado o papel quando viu o título do filme e nem quis ler o resto do roteiro, conclamou os fãs a bombardearem o estúdio com e-mails e mensagens para manter o título e filmar novas cenas mais violentas e com mais sexo. Conseguiu!
Mesmo com todo o boca-a-boca e a criação de uma aura cult antes mesmo de estrear, o filme não fez boa carreira nos cinemas, algo injusto na minha opinião. “SOAP” é agitado, cheio de cenas de ação, efeitos bem decentes e um elenco escolhido a dedo para manter o pique elevado. Destaques absolutos para Jackson, sempre ótimo e muito à vontade como o durão agente do FBI que adora mandar frases de efeito (“Não aguento mais essas merdas dessas cobras dentro dessa merda de avião!”); Margulies, emprestando a sua beleza e simpatia para a decidida aeromoça Claire em seu último vôo e David Koechner como o desbocado e metido a espertinho piloto Rick.
Além de um elenco adequado e personagens genéricos (sem características marcantes, funcionam como arquétipos de tipos consagrados, como “o chato do local”, “o casal apaixonado”, “as criancinhas bacanas”, “a mocinha bonita e bocuda”, “a patricinha loira”, “o rapper de sucesso” e por aí vai), tenho que falar de como o roteiro não quis nem saber de correção política (com boas piadinhas infames. Por exemplo, o local onde um dos guarda-costas do rapper 3G'S é mordido já gera pelo menos um trocadilho de bater no escritor de tão tosco...) e, com a ajuda mais do que bem-vinda de uma excelente equipe de efeitos especiais e de maquiagem, não poupa mulheres, casais, velhinhos e criancinhas dos ataques de suas vilãs rastejantes; embora obviamente de CGI (computação gráfica), as reptilianas assassinas dão o bote com gosto no pessoal do avião, desde um casal curtindo uma transa, um cara fazendo o nº1 (adivinha onde a cobra morde o infeliz? É... Lá mesmo) e criancinhas fofas sempre em locais incomuns como seios, pescoços, olhos (!!!) e etc, além de o diretor Ellis ter colocado alguns POVs (ponto de vista, tomada onde a câmera funciona como se fosse os olhos de um determinado personagem) das cobritas que são de arrepiar.
No geral, uma diversão descompromissada e que não fará ninguém perder o sono por causa dela. Podem pegar, amigos leitores, vale o aluguel.

Elenco: Samuel L. Jackson (Neville Flynn), Julianna Margulies (Claire Miller), Nathan Phillips (Sean Jones), Rachel Blanchard (Mercedes), Flex Alexander (3G's), Kenan Thompson (Troy), Keith Dallas (Big Leroy), Lin Shaye (Grace), Bruce James (Ken), Sunny Mabrey (Tiffany), Casey Dubois (Curtis), Daniel Hogarth (Tommy), Gerard Plunkett (Paul), Terry Chen (Chen Leong), Elsa Pataky (Maria), Emily Holmes (Ashley), Tygh Runyan (Tyler), Mark Houghton (John Sanders), David Koechner (Rick), Bobby Cannavale (Hank Harris), Todd Louiso (Dr. Steven Price), Tom Butler (Capitão Sam McKeon), Kevin McNulty (Emmett Bradley), Samantha McLeod (Kelly), Taylor Kitsch (Kyle), Ann Warn Pegg (Sra. Bova), Byron Lawson (Eddie Kim), Darren Moore (Kreitler), Scott Nicholson (Daniel Hayes).

Diretor: David R. Ellis; Roteiro: David Dalessandro e John Heffernan (história), John Heffernan e Sebastian Gutierrez; Produção: Craig Berenson, Don Granger e Gary Levinsohn; Produtores Associados: Tawny Ellis e Heather Meehan; Produção Executiva: Stokely Chaffin, Toby Emmerich, Penney Finkelman Cox, Justis Greene, Jeff Katz, Sandra Rabins e George Waud; Trilha Sonora: Trevor Rabin; Direção de Fotografia: Adam Greenberg; Montagem: Howard E. Smith; Seleção de Elenco: Mindy Marin; Design de Produção: Jaymes Hinkle; Direção de Arte: John Alvarez; Cenografia: Erin Gould e Mary-Lou Storey; Figurinos: Karen L. Matthews; Maquiagem: Monica Huppert e Robert A. Pandini; Efeitos de Maquiagem: Greg Johnson e Todd Masters; Som: Tom Bellfort e Dave McMoyler; Efeitos Sonoros: Bruce Tanis, Jon Title e Karen Vassar; Efeitos Especiais: Eric Allard, Alex Burdett, Rick Galinson, Matt Kutcher e Rick Lazzarini; Efeitos Visuais: Toni Pace Carstensen, Thierry Delattre, Anouk Deveault-Moreau, Mark Freund, Scott Gordon, Erik Henry e Daniel Leduc.

Classificação: !!!

Nenhum comentário: