sábado, janeiro 06, 2007

Premonição

Premonição (Final Destination, EUA, 2000 – 98 min.)

“Não há acidentes. Não há coincidências. Não há fuga. Você não pode enganar a Morte.”

Sei que este filme provocou uma divisão entre quem assistiu: uns odiaram e outros amaram. Estou na turma dos que amaram!

Alex Browning (Devon Sawa) está a caminho de Paris com sua turma de Francês da escola, comemorando a formatura. Dentro do avião, ele tem um sonho onde vê o avião explodir depois da decolagem. Fica tão assustado que acaba sendo expulso da aeronave junto com mais alguns colegas e a Profa. Lewton. Só que o sonho de Alex virou realidade: o avião realmente explode, matando todos os passageiros. Ao ter a premonição, Alex enganou a Morte. Só que Ela não desiste tão fácil e começa a perseguir os sobreviventes, um por um.

Desesperado, Alex, junto com Clear (Ali Larter), Carter (Kerr Smith), Terry (Amanda Detmer), Billy (Seann William Scott), Tod (Chad Donella) e a Professora Lewton (Kristen Cloke) têm que encontrar um plano para evitar seu destino.Um dos poucos filmes de terror mais atuais que apresenta uma história interessante, Premonição (ô título besta!) é um daqueles que traz novos elementos cada vez que se assiste.

Quando vi pela primeira vez, gostei do clima de suspense bem construído;da segunda, prestei mais atenção nos detalhes da história, depois me concentrei, na terceira vez, aos detalhes do roteiro. E quantos detalhes para a gente se deliciar!
O roteiro, por sinal, é recheado de deliciosas citações a outros filmes, diretores e atores do gênero além de criar uma história verossímil e com muito suspense.


As citações e brincadeiras:

1) quando os estudantes estão embarcando, a câmera focaliza um carrinho de bagagem na pista. O número do carrinho é 666. Obviamente, referência à trilogia “A Profecia”;

2) O número 180 aparece em várias cenas. No luminoso que atinge Carter na França, pode-se ler `180`; o número do vôo para Paris no começo do filme é 180 e no relógio de cabeceira de Alex podemos ver o número 180 quando chega na hora do desastre.

3) Os números 9 e 25 também aparecem bastante: o horário de partida do vôo é 9:25; o aniversário de Alex é 25 de setembro (em inglês, o mês vem antes. portanto, o aniversário é 9/25); a poltrona de Alex é I (nona letra do alfabeto), na fileira...25!

4) Os nomes dos principais personagens têm homenagens a grandes diretores e atores da época de ouro dos filmes de horror em preto e branco: Tod Waggner e Alex Browning (diretor de “Drácula”, de 1937, Tod Browning e o diretor George Waggner); Profa. Valerie Lewton (diretor e produtor Val Lewton, de “Curse of the Cat People”, “Cat People” e muitos outros); Prof. Larry Murnau (diretor F.W. Murnau, de “Nosferatu”, de 1926); Terry Chaney (sobrenome de Lon Chaney, famoso ator de “Werewolf” e conhecido como o Homem das Mil Faces); Billy Hitchcock (nem preciso comentar de onde veio esse nome); Agente Schreck (ator Max Schreck, que interpretou o papel principal de “Nosferatu”);

5) No segundo interrogatório de Alex feito pelo FBI, a ele é perguntado: “Did you see it in TV static? – Você viu onde, na estática da TV?”. A TV sem programação é a porta de entrada de Carol Anne Freeling no mundo dos espíritos em “Poltergeist”;

6) Quando Tod é atacado no banheiro, o ângulo de câmera em relação ao chuveiro é idêntico ao utilizado por Hitchcock no assassinato de Marion Crane em “Psicose”, de 1960;

7) O agente funerário William Bludworth é interpretado por Tony Todd (numa das poucas cenas desnecessárias do filme; todo mundo já tinha percebido o que estava acontecendo, não precisava ter uma explicação, ô diretor!), o vilão de “Candyman”. O sobrenome do personagem é uma brincadeira. Blud (blood) é sangue e Worth significa vale a pena.

8) Em todas as mortes, a música “Rocky Mountain High” toca. Ela pode ser ouvida no circuito interno do aeroporto; no rádio de Tod no banheiro e a Profa. Lewton coloca um CD que tem essa música antes de morrer. Ela é cantada por John Denver, que morreu em um desastre de avião. No final do filme, em Paris, aparece um cara parecido com ele tocando a música na calçada.

9) O vitrô da porta da frente na casa da Profa. Lewton é uma faca virada para baixo; muito sugestivo...

10) Alguns objetos de cena contêm referência a presidentes ou quase-presidentes que foram assassinados. A caneca da Profa. Lewton tem a inscrição “Abraham High”(Abraham Lincoln); a placa do carro de Carter é RFK (Robert Fitzgerald Kennedy, irmão de JFK, assassinado quando fazia campanha para a presidência) e o avião decola do Aeroporto JFK (John Fitzgerald Kennedy, assassinado em Dallas por Lee Harvey Oswald).

Além de toda essa diversão, outro detalhe que me agradou foi ver a dupla de Arquivo X, James Wong e Glen Morgan, trabalhando juntos no cinema. Eles foram responsáveis pelas temporadas 3, 4 e 5 da série, na minha opinião as melhores. A direção de James Wong, em particular, é cheia de estilo, com vários ângulos criativos e uma montagem esperta. Os assassinatos são criativos e têm um senso de inevitabilidade que é de arrepiar; a escolha de mostrar a Morte como uma presença mais espiritual do que física, que deturpa e utiliza os mais banais aspectos da realidade dos personagens como ameaças, foi um tiro na mosca e dá uma mãozinha mais que bem-vinda para o suspense. Só mais um destaque: a trilha sonora foi composta por uma mulher, coisa rara de se ver e mais raro ainda, se encaixa perfeitamente com o clima do filme.

Em resumo, um programa de primeira categoria. Não deixe de ver!

Elenco: Devon Sawa (Alex Chance Browning), Ali Larter (Clear Rivers), Kerr Smith (Carter Horton), Tony Todd (William Bludworth), Kristen Cloke (Srta. Valerie Lewton), Seann William Scott (Billy Hitchcock), Daniel Roebuck (Agente Weine), Roger Guenveur Smith (Agente Schreck), Chad Donella (Tod Waggner), Amanda Detmer (Terry Chaney), Brendan Fehr (George Waggner), Forbes Angus (Sr. Larry Murnau), Lisa Marie Caruk (Christa Marsh), Fred Keating (Howard Seigel)

Diretor: James Wong; Roteiro: Jeffrey Reddick (história) e Jeffrey Reddick, James Wong e Glen Morgan (roteiro); Produção: Glen Morgan, Craig Perry e Warren Zide; Co-produção: Art Schaffer; Produtor Associado: Chris Bender; Produção Executiva: Richard Brener e Brian Witten; Trilha Sonora: Shirley Walker; Direção de Fotografia: Robert McLachlan; Montagem: James Coblentz; Seleção de Elenco: John Papsidera e Wendy O’Brien; Design de Produção: John Willett; Direção de Arte: William Heslup; Cenografia: Mary-Lou Storey; Figurinos: Jori Woodman; Maquiagem: Lisa Love e Thom McIntyre; Efeitos de Maquiagem: Ryan Nicholson; Som: Dave McMoyler, Scott Martin Gershin, Brad Sherman e Melissa Sherwood Hofmann; Efeitos Sonoros: Paul Timothy Carden, Hector C. Gika, Tom Ozanich, Alan Rankin, Scott Sanders, Scott Wolf e Peter Zinda; Efeitos Especiais: Terry Sonderhoff; Efeitos Visuais: Franklin Cofod, Charlene Eberle, Ray McIntyre Jr., Jon Tanimoto e Ariel Velasco-Shaw.

Classificação:!!!!

2 comentários:

AGENT DO BEM disse...

o filme premoniçâo é show muito bom pois qu qem ama a vida ama a morte; contados my msnfabiobzn221@hotmail.com ou okut fabiobzn221@yahoo.com.br para novas amizades

AGENT DO BEM disse...

QUAL É O LADO BOM MORTE?