domingo, junho 25, 2006

Série Stephen King 10 / Chamas da Vingança

incendiaria.jpg
Chamas da Vingança (Firestarter, EUA,1984)

“Poderá ela sobreviver?”

O filme conta a história de Charlie McGee (Drew Barrymore, aproveitando o sucesso de “E.T”, em 1982), uma garotinha fofa que possui pirocinesia, ou seja, capacidade de fazer coisas ou pessoas ao seu redor queimarem com a força da sua mente. Ela tem esse poder por causa das experiências a que foram submetidos seu pai, Andrew (David Keith) e Vicky (Heather Locklear, em começo de carreira e arriscando no cinema, depois de várias participações na TV, como na série-dramalhão “Dinastia”). Essas experiências foram conduzidas pelo Departamento de Inteligência Científica (DSI-Department of Scientific Intelligence, no original) com o auxílio de uma droga chamada Lote 6, que supostamente induziria seus usuários a desenvolverem poderes telepáticos. O diretor desse departamento, o Capitão Hollister (Martin Sheen), quer capturar a menina para usá-la como arma de guerra. Para isso, contrata o assassino índio John Rainbird (George C. Scott, soberbo como sempre), que tem a fama de nunca perder seu alvo. A perseguição começa e nada poderá salvar a humanidade de queimar nas chamas da mente.

O bom elenco reunido pelos produtores salva o filme de virar uma bomba incendiária. A missão de conduzir a produção coube a Mark L. Lester, notório diretor operário que depois se especializou em comandar filmes descerebrados (e divertidos) de ação e porrada. São dele os podreiras “Comando para Matar”, com Schwarzão em começo de carreira; “Massacre no Bairro Japonês”, com Dolph Lundgren e Brandon Lee; “A Base”, com Marc Dacascos e “Blowback-O Anjo da Morte”, com Mario Van Peebles. Com um currículo desses, já se sabia o que esperar, não é mesmo? Mesmo tendo dirigido este filme em começo de carreira, normalmente a melhor fase de um diretor, a mão pesada de Lester já se faz sentir aqui, mas, felizmente, não chega a estragar o espetáculo.

O elenco está bem, em especial Scott, que retrata o maníaco Rainbird com maestria, deixando as motivações bizarras do vilão subentendidas e dá um bom contraponto com a figura angelical de Charlie. Drew não sabe atuar, nunca soube, mas tem carisma e preenche bem a câmera, caprichando nas carinhas de inocente, mesmo quando transforma os outros em churrasquinho. Quanto ao restante, seguram as pontas e não deixam a peteca cair em nenhum momento. Até mesmo o fraco David Keith convence como Andrew McGee. Destaque também para, claro, Martin Sheen (“Apocalypse Now Redux”, “Wall Street” e tantos outros). No que diz respeito aos aspectos técnicos, o filme tem um bom nível de efeitos especiais, fotografia, som e cenários, no padrão da época para produções mais bem-cuidadas do gênero. A trilha sonora é do cultuado grupo alemão Tangerine Dream, que já trabalhou com o mestre italiano Dario Argento.

Desculpe gente, mas não posso deixar de falar do modo com que o diretor resolveu mostrar ao espectador quando Charlie usa seu poder: os closes repentinos com ventiladores no cabelo são de rolar de rir, de tão primário. Só que o filme entretém, apesar de longo demais, e não envergonha a fonte. O que, em se tratando de Stephen King, é um grande elogio. Veja sem medo. Você vai gostar.

Elenco: Drew Barrymore (Charlene `Charlie` McGee), George C. Scott (John Rainbird), David Keith (Andrew McGee), Heather Locklear (Vicky McGee), Martin Sheen (Capitão Hollister), Louise Fletcher (Norma Manders), Art Carney (Irv Manders), Freddie Jones (Dr. Joseph Wanless), Moses Gunn (Dr. Pynchot), Antonio Fargas (Motorista de Táxi), Drew Snyder (Orville Jamieson), Curtis Credel (Bates), Keith Colbert (Mayo), Dick Warlock (Knowles).

Direção: Mark L. Lester; Roteiro: Stanley Mann, baseado no livro `Firestarter`, de Stephen King; Produção: Frank Capra Jr.; Produtora Associada: Martha Schumacher; Trilha Sonora: Tangerine Dream; Direção de Fotografia: Giuseppe Ruzzolini; Edição: David Rawlins e Ronald Sanders; Seleção de Elenco: Johanna Ray; Direção de Arte e Cenários: Jeff Ginn; Som: Kevin O`Connell, Elliot Tyson e Bill Varney; Efeitos Especiais: Mike Edmondson, Jeff Jarvis e Michael Wood; Efeitos Visuais: William Cruse.

Classificação: !!!

Nenhum comentário: