quinta-feira, junho 22, 2006

Ilusões Perigosas

ilusoesperigosas.jpg
Ilusões Perigosas (Haunted, ING, 1995)
"Você vai acreditar..."

Um professor de psicologia, David Ash (Aidan Quinn), dedica sua vida a desmascarar os psíquicos, videntes e afins, sendo uma pessoa totalmente cética e científica em relação aos chamados eventos paranormais e um autor respeitado nesse meio. Na verdade, David procura uma resposta para um acontecimento traumatizante de sua infância, onde sua irmã gêmea Juliet (Victoria Starlet) morreu afogada, por causa de um acidente em que ele teve participação indireta.
Um dia, David recebe uma carta de Tess Webb (Anna Massey), uma senhora idosa moradora do interior da Inglaterra, numa enorme mansão vitoriana chamada Edbrook, que alega ser vítima de assédio de fantasmas. Intrigado, ele vai até lá e conhece a estranha família Mariell: Robert (Anthony Andrews), o mais velho e que domina os demais; Simon (Alex Lowe), o mais novo e o palhaço da família e Christina (Kate Beckinsale), linda e misteriosa, além da própria Sra. Webb e o idoso médico Doyle (Sir John Gielgud).
Totalmente envolvido com a charmosa Christina, David vai aos poucos descobrindo segredos terríveis, que podem mudar suas convicções; além de estar assustado com repentinas aparições de sua irmã. Será que fantasmas existem? Será que Juliet quer avisá-lo de alguma coisa?
Muito bom filme de fantasmas, com desenvolvimento lento e sóbrio, muito apropriado para o clima pretendido pelos realizadores (entre eles, o ótimo diretor Francis Ford Coppola, da trilogia “O Poderoso Chefão” e “Apocalipse Now”, que aqui somente produz) e totalmente rodado em locação no interior da Inglaterra, onde realmente essas histórias parecem ter uma ressonância maior. Com efeitos simples e muita névoa, recria o ambiente dos filmes ingleses da década de 60 e tem uma trama bem amarrada, preferindo assustar mais pela sugestão que por acordes altos de trilha sonora (que, aliás, é muito boa) e sangue aos borbotões.
Contando com um bom elenco, que inclui a lenda dos teatros ingleses Sir John Gielgud (num papel menor, que pena) e Aidan Quinn (de “Da Magia à Sedução”), num dos poucos, infelizmente, filmes em que tem o papel de protagonista. Mas a presença mais marcante é a da inglesinha Kate Beckinsale, com uma beleza etérea e magnetizante.
Destaque para as cenas da cadeira no coreto (de gelar no sofá), o encontro de David e Christina com uma cigana idosa e a sessão espírita no começo do filme, muito divertida.
Uma grata surpresa e altamente recomendável.

Elenco: Aidan Quinn (Professor David Ash), Kate Beckinsale (Christina Mariell), Anthony Andrews (Robert Mariell), Alex Lowe (Simon Mariell), Sir John Gielgud (Doutor Doyle), Anna Massey (Babá Tess Webb), Geraldine Somerville (Kate), Victoria Starlet (Juliet Ash), Linda Bassett (Madame Brontski), Liz Smith (Anciã Cigana), Peter England (Jovem David), Alice Douglas (Clare), Hilary Mason (Senhora Idosa), Edmund Moriarty (Liam) e Emily Hamilton (Mary).

Diretor: Lewis Gilbert; Roteiro: Timothy Prager, Bob Kellett e Lewis Gilbert, baseados no livro “Haunted” de Frank Herbert; Produção; Anthony Andrews e Lewis Gilbert; Co-produção: William P. Cartlidge; Produção Executiva: Francis Ford Coppola, Fred Fuchs, Ralph Kamp e Jeff Kleeman; Trilha Sonora: Debbie Wiseman; Direção de Fotografia: Tony Pierce-Roberts; Edição: John Jympson; Seleção de Elenco: Joyce Nettles; Design de Produção: Brian Ackland-Snow e John Fenner; Direção de Arte: Gary Tomkins; Cenários: Peter James; Figurinos: Candy Peterson e Jane Robinson; Maquiagem: Christine Beveridge e Marilyn McDonald; Som: Jonathan Bates e Brian Mann; Efeitos Especiais: David Brighton e Peter Hutchinson; Efeitos Visuais: Michael Curtis.
Classificação: !!!

Um comentário:

R2K disse...

: )