segunda-feira, junho 05, 2006

Além da Imaginação: O Filme

nolimitedarealidade

Além da Imaginação: O Filme (Twilight Zone: The Movie, EUA, 1983)

“Você está viajando por uma outra dimensão. Uma dimensão não apenas de sons e imagens, mas da mente. Uma jornada em uma terra maravilhosa cujas fronteiras são apenas as da imaginação. Próxima parada, Além da Imaginação!”

Um solitário motorista (Albert Brooks) viaja pelas poeirentas estradas do meio-oeste americano, à noite. Ele decide parar para pegar um homem que anda pela beira da estrada (Dan Aykroyd); eles começam a conversar sobre filmes e seriados antigos e aí...
Começa a primeira história: um homem extremamente preconceituoso, Bill Connor (Vic Morrow, em seu último filme; ele morreria, junto com outros dois atores, em um acidente de helicóptero durante as filmagens), fica xingando e resmungando com seus amigos Ray (Charles Hallahan) e Larry (Doug McGrath) sobre como os judeus, negros e asiáticos estão acabando com os EUA. Ele acabou de perder uma promoção para um judeu e está louco da vida; depois de alguma confusão com outros freqüentadores do bar, Bill é expulso. Fora do bar, ele se vê passando por todos os grandes conflitos do século XX sempre como a minoria perseguida – um judeu na II Guerra, um vietnamita na Guerra do Vietnã e um negro perseguido pela Ku Klux Klan no sul dos EUA. Após a experiência apavorante, será que Bill mudará seu modo de pensar?
No segundo segmento, um misterioso velhinho, o Sr. Bloom (Scatman Crothers, de “O Iluminado”) vai mostrar a um asilo, habitado por pessoas desenganadas e apáticas como a vida pode ser prazerosa, mesmo no pôr-do-sol de suas existências.
Na terceira história, uma professora, Helen Foley (Kathleen Quinlan, lindíssima), pára em um restaurante de beira de estrada, a caminho de uma cidadezinha qualquer onde vai assumir a escola do lugar. Ali, ela conhece um menino encantador, Anthony (Jeremy Licht), que a convence a ir para casa dele e jantar com sua família, depois de um pequeno incidente com uma bicicleta. Só que o garoto tem poderes mentais imensos, com os quais materializa tudo o que quiser e mantém sua família inteira praticamente refém.
No último segmento, um passageiro recém-saído de um colapso, John Valentine (John Lithgow, fantástico), está convicto que viu um monstro na asa do avião e que a criatura está tentando derrubar o aparelho. Claro que não ajuda estar a maior tempestade lá fora e assim, ninguém acredita no pinel. Mas será que ele é tão pinel assim?
Uma homenagem bacana ao famoso seriado “Twilight Zone”, que durou cinco temporadas de 1959 a 1963, criado e apresentado por Rod Serling e que teve mais de 150 episódios; mais conhecido no Brasil como “Além da Imaginação”, vários episódios foram mostrados pela TV Record no fim da década de 60 e começo dos anos 70. Era semanal e mostrava sempre pessoas comuns que se envolviam com situações extraordinárias (com pitadas constantes de sobrenatural), cuja marca registrada era uma guinada irônica no final do episódio onde os culpados eram normalmente punidos – ei, pessoal, eram os moralistas anos 50 e começo dos 60, antes dos Beatles estourarem no mundo todo, da contracultura e do Flower Power. Mas tinha seus méritos, em especial a qualidade dos roteiros (quase sempre feitos pelo próprio Serling) e a participação de diversos astros em ascensão e diretores que seriam famosos, começando suas carreiras. Por exemplo, William Shatner (pouco antes de acertar na mosca como o Capitão Kirk da série “Jornada das Estrelas”) e o diretor Richard Donner (de “Superman” e da série cinematográfica “Máquina Mortífera”).
Como todo filme que utiliza a estrutura episódica, padece de oscilações de ritmo narrativo e de roteiro, ainda mais que utilizou quatro diretores diferentes. O resultado final é um honroso empate em 2x2, com os dois últimos episódios dando de mil a zero nos dois primeiros, apesar do prólogo ser bem legalzinho também (mesmo sendo bem curto, é cheio de ironia e dá uns sustos).
Quase todos os segmentos utilizaram roteiros de episódios da série original. O único que foi escrito diretamente para o filme é o primeiro, prejudicado demais pelo acidente que matou o ator principal Vic Morrow, extremamente carismático. O acidente obrigou o diretor e também roteirista John Landis a encerrar abruptamente a história e deixa a impressão de que tinha mais a dizer. O segundo, uma atualização do episódio “Kick The Can” – “Chute a Lata” – (da terceira temporada, levado ao ar em 09 de Fevereiro de 1962), é o mais mané de todos, com Spielberg (tinha acabado de lançar “ET”) exagerando na sacarose e deixando tudo lírico e telúrico demais para o meu gosto; bem meloso mesmo.
O terceiro tirou a trama do episódio “It´s a Good Life” – “É uma Vida Boa” – (da terceira temporada também, exibido em 03 de Novembro de 1961), e dá um bico para cima, sem dó, no climinha de filme família que tentou se instalar. Joe Dante, o diretor (de “Grito de Horror” e “Gremlins”), é oriundo do terror e dá um ar de desenho animado macabro ao segmento, com vários efeitos especiais bacanas e tétricos. Mas o melhor de todos é o quarto, atualização da trama de “Nightmare at 20.000 feet” – “Pesadelo a 20.000 pés” – (da quinta e última temporada, levado ao ar em 11 de Outubro de 1963), dirigido pelo australiano George Miller (de “Mad Max”). É uma porrada no estômago, muito tenso e bem interpretado por John Lithgow; atentem para o finalzinho, que é bem legal.
Filme bem chato de achar (está fora de catálogo há mais de uma década), esperem pelo lançamento em DVD ainda este ano, em edição cheia de extras e remasterizado digitalmente. Vale a pena, amigos e vizinhos!

ELENCO
Prólogo: Dan Aykroyd (Passageiro) e Albert Brooks (Motorista); Burgess Meredith (Narrador dos segmentos e do prólogo).
Segmento #1: Vic Morrow (Bill Connor), Doug McGrath (Larry), Charles Hallahan (Ray), Sue Dugan (Garçonete #1), Debby Porter (Garçonete #2), Steven Williams (Dono do Bar), Rainer Peets (Oficial Alemão), Kai Wuff (Oficial Alemão), Annette Claudier (Mãe Francesa), Joseph Hieu (Vietnamita), Al Leong (Vietnamita), Stephen Bishop (Soldado Americano Bonitão), Thomas Byrd (Soldado Americano), Vincent J. Isaac (Soldado Americano), William B. Taylor (Soldado Americano), Domingo Ambriz (Soldado Americano), Eddy Dono (Membro da KKK), Michael Milgrom (Membro da KKK) e John Larroquette (Membro da KKK).
Segmento #2: Scatman Crothers (Sr. Bloom), Bill Quinn (Sr. Leo Conroy), Martin Garner (Sr. Weinstein), Selma Diamond (Sra. Weinstein), Helen Shaw (Sra. Dempsey), Murray Matheson (Sr. Agee), Peter Brocco (Sr. Mute), Priscilla Pointer (Srta. Cox), Scott Nemes (Sr. Weinstein jovem), Tanya Fenmore (Sra. Weinstein jovem), Evan Richards (Sr. Agee jovem), Laura Mooney (Sra. Dempsey jovem), Christopher Eisenmann (Sr. Mute jovem), Richard Swingler (Sr. Pantera Cinza), Alan Haufrect (Filho do Sr. Conroy) e Cheryl Socher (Nora do Sr. Conroy).
Segmento #3: Kathleen Quinlan (Helen Foley), Jeremy Licht (Anthony), Kevin McCarthy (Tio Walt), Patricia Barry (Mãe), William Schalert (Pai), Nancy Cartwright (Ethel), Dick Miller (Walter Paisley – dono do restaurante), Cherie Currie (Sara), Bill Mumy (Tim), Jeffrey Bannister (Charlie – barman do restaurante).
Segmento #4: John Lithgow (John Valentine), Abbe Lane (Aeromoça antiga), Donna Dixon (Aeromoça nova), John Dennis Johnston (Co-piloto), Larry Cedar (Criatura), Charles Knapp (Policial), Byron McFarland (Anunciador), Christina Nigra (Menininha), Lana Schwab (Mãe), Margaret Wheeler (Velhinha), Eduard Franz (Velhinho), Margaret Fitzgerald (Jovenzinha), Jeffrey Weissman (Jovenzinho), Jeffrey Lampert (Mecânico #1), Frank Toth (Mecânico #2), Carol Serling (Passageira) e Dan Aykroyd (Motorista da Ambulância).

Diretor: Joe Dante (Segmento #3), John Landis (Prólogo e segmento #1), George Miller (Segmento #4) e Steven Spielberg (Segmento #2); Roteiro: Rod Serling (série de TV), John Landis (Prólogo), John Landis (Segmento #1), George Clayton Johnson, Richard Matheson e Melissa Mathison (Segmento #2), Richard Matheson (Segmento #3, baseado no conto “É Uma Vida Boa”, de Jerome Bixby), Richard Matheson (Segmento #4, baseado no seu conto “Pesadelo a 20.000 pés de altura”); Produção: John Landis, Steven Spielberg, Jon Davison (Segmento #3), Michael Finnell (Segmento #3), Kathleen Kennedy (Segmento #2); Produtores Associados: Jon Davison, Michael Finnell, Kathleen Kennedy, George Folsey Jr. (Segmento #1 e Prólogo); Produção Executiva: Frank Marshall; Trilha Sonora: Jerry Goldsmith; Direção de Fotografia: Allen Daviau (Segmentos #2 e #4), John Hora (Segmento #3) e Stevan Larner (Prólogo e Segmento #1); Edição: Malcolm Campbell (Prólogo e Segmento #1), Tina Hirsch (Segmento #3), Michael Kahn (Segmento #2) e Howard E. Smith (Segmento #4); Seleção de Elenco: Marci Liroff; Design de Produção: James D. Bissell; Figurinos: Deborah Nadoolman (Segmento #1); Maquiagem: John M. Elliott Jr.; Efeitos de Maquiagem: Rob Bottin; Som: Thomas Causey, William B. Kaplan, Gregg Landaker e Steve Maslow; Efeitos Especiais: Kevin Pike; Efeitos Visuais: Dave Allen e Jim Danforth.

Classificação: !!!

Nenhum comentário: