domingo, abril 16, 2006

Os Espíritos

Os Espíritos (The Frighteners, NZL/EUA, 1996)

A primeira experiência com um orçamento maior do diretor Peter Jackson, antes de virar a franquia mais rentável do cinema atual, acertando nos bilhões de dólares com a série “O Senhor dos Anéis” e “King Kong”; é um bom filme, ainda que subestimado pela audiência e pelos executivos por causa do fraco desempenho nas bilheterias.
Na história, Michael J. Fox é Frank Bannister, um ex-arquiteto que após sofrer um acidente de carro que matou sua esposa, virou “investigador paranormal”. Acontece que Frank ficou com um efeito colateral do acidente que ninguém gostaria de ter: ele vê e conversa com fantasmas. Com a ajuda de um trio de almas penadas, Stuart (Jim Fyfe), Cyrus (Chi McBride) e o anacrônico Juiz (o veterano John Astin), um fantasma da época do Velho Oeste, Frank e sua trupe forjam fenômenos paranormais para faturar alguns trocados (os equipamentos utilizados são ridículos e nem uma criança cairia na conversa fiada que ele solta nos clientes...). Até que um dia, ao atender o panacão Ray (Peter Dobson), Frank nota um número marcado em laranja na testa do troglodita e tenta avisar que algo errado vai acontecer; claro que ele não acredita, mas sua esposa, Lucy (Trini Alvarado) fica com a sensação de que não era um truque. Logo depois, Ray realmente morre, e Frank vê um vulto marrom pairando rapidamente sobre a cidade.
Alarmado, ele tenta deter a criatura, mas nada dá certo e acaba preso, sendo interrogado pelo maluco agente do FBI Milton Dammers (Jeffrey Combs, deliciosamente alucinado) que tem certeza de que Frank é o responsável por todos os assassinatos. O único aliado de Bannister é Lucy, que auxilia nas investigações e descobre que as mortes misteriosas podem ter a ver com um caso ocorrido anos atrás, envolvendo Patrícia Bradley (Dee Wallace-Stone) e o ex-namorado dela, atualmente falecido, Johnny Bartlett (Jake Busey) que piraram e saíram matando mais de 10 pessoas no antigo hospital da região.
Os eventos se precipitam e Frank e Lucy têm que deter quem quer que esteja matando as pessoas, pois ele(a) gosta de matar e não vai parar...
Um tour de force visual e narrativo do diretor Jackson, o filme tem tudo para agradar aos fãs de cinema fantástico: uma história interessante e bem amarrada, com ótimos efeitos especiais, um elenco escolhido a dedo e soluções criativas. Michael J. Fox comprova seu carisma em um dos melhores desempenhos de sua carreira; John Astin (de “A Família Addams”, a série de TV e “O Ataque dos Tomates Assassinos”) ganha uma despedida digna, pois morreu pouco tempo depois, além da carinhosa homenagem do diretor a um dos atores mais emblemáticos do terror hardcore, Jeffrey Combs.
O californiano participou de quase todos os filmes de horror realizados pela Empire Productions (depois Full Moon) e se tornou um cult entre os fãs do gênero, principalmente pelos papéis em “Re-Animator” (e suas seqüências) e “Do Além”, tendo tido a honra de interpretar o mestre H.P. Lovecraft no filme “Necronomicon”, estando na ativa até hoje e mantendo o espírito do terror vivo.
Voltando a “Os Espíritos”, não deixe de ver, mesmo que seja para verificar o porquê de um executivo visionário ter permitido que o gorducho kiwi – que é como os nativos da Nova Zelândia chamam a si mesmos – e um dos maiores realizadores de fantasia de todos os tempos ficasse como responsável por trazer o infilmável livro de Tolkien para as telas; só podia ser ele. Aproveite a viagem, amigo.

Elenco: Michael J. Fox (Frank Bannister), Trini Alvarado (Dra. Lucy Lynskey), Peter Dobson (Ray Lynskey), John Astin (O Juiz), Jeffrey Combs (Milton Dammers), Dee Wallace-Stone (Patricia Ann Bradley), Jake Busey (Johnny Charles Bartlett), Chi McBride (Cyrus), Jim Fyfe (Stuart), Troy Evans (Xerife Walt Perry), Julianna McCarthy (Senhora Bradley), R. Lee Ermey (Sargento Hiles), Elizabeth Hawthorne (Magda Rhys-Jones), Ângela Bloomfield (Debra Bannister), Desmond Kelly (Harry Sinclair), Jonathan Blick (Steve Bayliss), John Leigh (Bryce Campbell), Nicola Cliff (Patrícia jovem), Ken Blackburn (Dr. Kammins), Stuart Devenie (Curador do museu), Genevieve Westcott (Apresentadora de TV), K.C. Kelly (Médico), Leslie Wing (Sra. Waterhouse), Leslie Klein (Sylvia), Danny Lineham (Barry) e William Pomeroy (Jacob Platz).

Diretor: Peter Jackson; Roteiro: Fran Walsh e Peter Jackson; Produção: Peter Jackson e Jamie Selkirk; Co-produção: Tim Sanders; Produtora Associada: Fran Walsh; Produção Executiva: Robert Zemeckis; Trilha Sonora: Danny Elfman; Direção de Fotografia: John Blick e Alun Bollinger; Edição: Jamie Selkirk; Elenco: Victoria Burrows e Vivienne Kaplan; Design de Produção: Grant Major; Direção de Arte: Dan Hennah; Figurinos: Bárbara Derragh; Maquiagem: Marjory Hamlin e Jane O’Kane; Efeitos de Maquiagem: Rick Baker e Vance Hartwell; Som: Phil Benson, Gethin Creagh, Mike Hopkins, Michael Hedges, John Neill, Janet Roddick e Randy Thom; Efeitos Especiais: Steve Ingram; Efeitos Visuais: Matt Aiken, Karen Ansel, Matt Holmes, Jean Marc Furio, Paul McGhee, Wes Takahashi e Richard Taylor.

Nenhum comentário: