quinta-feira, janeiro 26, 2006

Linha Mortal

Linha Mortal (Flatliners, EUA, 1990)

Estudantes brilhantes de medicina, Nelson (Kiefer Sutherland, de longe o melhor do elenco), Rachel (Julia Roberts), David (Kevin Bacon, meio passado para se passar por universitário), Joe (William Baldwin) e Randy (Oliver Platt, ainda mais mal escalado do Bacon) inventam, por sugestão de Nelson, uma experiência em que esperam trazer respostas sobre um dos maiores mistérios de todos: a morte. Para isso, um deles comete suicídio assistido e ressuscitado pelos colegas, alguns segundos depois, para relatar o que vivenciou e quem sabe iluminar essa área tão temida pelos profissionais de saúde.
Só que a experiência acaba causando um efeito colateral inesperado, quando grandes traumas são revividos com conseqüências desastrosas psicologicamente e fisicamente falando; assim, os estudantes devem fazer as pazes com o passado para que este não termine por matá-los de verdade.
Um filme com uma premissa muito interessante, que acaba infelizmente diluída pela falta de criatividade do roteirista em criar fatos significativos para toda a trupe e fazer com que o espectador realmente se envolva com as atribulações passadas pelo elenco, destacando talvez os dramas sofridos pelos personagens de Kiefer Sutherland e Julia Roberts, que passaram por maus bocados quando mais jovens e justificam o desespero posterior.
Por causa desse deslize, fica difícil se identificar por completo com a trama e a direção fria de Schumacher termina por sacramentar esse distanciamento, deixando a maioria das performances do elenco muito burocráticas. Mas a honrosa exceção fica com Sutherland, que entrega uma atuação cheia de garra e salva a produção da mesmice.
Nos aspectos técnicos, uma fotografia primorosa de Jan de Bont (futuro diretor dos sucessos “Velocidade Máxima” e “Twister”), com ângulos elegantes e cenários góticos bem construídos e uma boa trilha sonora do especialista James Newton Howard.
Enfim, um filme apenas mediano, que foi indicado ao Oscar® de Melhores Efeitos Sonoros de 1991.

Elenco: Kiefer Sutherland (Nelson), Kevin Bacon (David Labraccio), Julia Roberts (Rachel Mannus), William Baldwin (Joe Hurley), Oliver Platt (Randy Steckle), Kimberly Scott (Winnie Hicks), Joshua Rudoy (Billy Mahoney), Benjamin Mouton (Pai de Rachel), Aeryk Egan (Nelson – jovem), Kesha Reed (Winnie – jovem), John Duda (David – jovem), Hope Davis (Anne Coldren), Jim Ortlieb (Tio Dave), Afram Bill Williams (Ben Hicks), Elinore O´Connell (Mãe de Rachel), Sanna Vraa (Bridget).

Diretor: Joel Schumacher; Roteiro: Peter Filardi; Produção: Rick Bieber e Michael Douglas; Produção Executiva: Peter Filardi, Michael Rachmil e Scott Rudin; Trilha Sonora: James Newton Howard; Diretor de Fotografia: Jan de Bont; Edição: Robert Brown; Elenco: Mali Finn; Design de Produção: Eugenio Zanetti; Direção de Arte: Jim Dultz; Cenários: Anne Kuljian; Figurinos: Susan Becker; Maquiagem: Ve Neill e Yolanda Toussieng; Efeitos de Maquiagem: Michael Burnett, Greg Cannom, Vance Hartwell e Larry Odien; Som e Efeitos Sonoros: Charles L. Campbell e Richard C. Franklin; Efeitos Especiais: Sam Barkin, Phil Cory, Hans Metz e Timothy W. Tiedje; Efeitos Visuais: Peter Donen.

Nenhum comentário: